terça-feira, 7 de outubro de 2008

Só os bizarros

Não sei o que se passa na cabeça dessas criaturas, mas tenho pena é da mãe deles....

Doente número 1:
Esse rapaz atende pelo nome de Pauly Unstoppable (“Pauly Sem Parada”). Ele é britânico e tem 23 anos. Em entrevista à revista Bizarre, ele afirma ter colocado os primeiros piercings (na orelha) aos 7 anos de idade.

Aos 11, começou a pôr peças cada vez maiores na orelha. Nessa época perfurou o nariz com uma agulha de costura. Depois, sem utilizar equipamentos de hospital, fez cortes no próprio pênis.

Mas Pauly sobreviveu a isso e a um atropelamento, três paradas cardíacas, tiros, quedas facadas, overdoses e uma tentativa de queima-lo vivo numa briga.


Doente número 2:

O neozelandês Lucky Diamond Rich entrou para o Livro dos Recordes como a pessoa mais tatuada do mundo.

Depois de centenas de tatoos feitas por artistas de várias partes do mundo, ele decidiu pintar o corpo todo de preto – incluindo lugares sensíveis, como as pálpebras, a pele entre os dedos e a genitália.
Agora ele está fazendo tatuagens brancas sobre o fundo preto. Lucky faz malabarismos com serra elétrica e engole espadas


Doente número 3:

Também conhecida como "A Dama Ilustrada". Julia Gnuse nasceu com uma doença que ataca a sua pele e sua vesícula regularmente deixando cicatrizes. A fim de cobrir as cicatrizes Julia começou a se tatuar regularmente. Depois de dez anos com essa prática, tem hoje o corpo completamente tatuado e entrou para o Guiness por ser a mulher mais tatuada do mundo.


Doente número 4

Quando quebrou o recorde pela primeira vez em maio de 2000, a brasileira Elaine Davidson que mora em Edimburgo na Escócia, tinha nada mais nada menos do que 462 piercings, sendo 192 no rosto.

Em agosto de 2001, ela foi examinada novamente: 720 piercings.
Em 2005, o jornal “The Guardian” publicou que ela já tinha 3.950 peças. Hoje ela tem mais piercings na genitália do que em qualquer outra parte do corpo – 500, entre externos e internos.
Em maio de 2008, o número saltou para 5.920 piercings espalhados pelo corpo.

Doente número 5:

Erik Sprague é um americano de 36 anos. Em 1999 ele abandonou o doutorado em filosofia para se dedicar à carreira de artista performático em tempo integral. Erik se transformou no Lizardman – O Homem-Lagarto.

Ele calcula já ter passado 700 dolorosas horas nas mãos dos tatuadores.
Outras marcas registradas do Homem Lagarto são os chifres de teflon implantados sob a pele das sobrancelhas, a língua partida e os dentes lixados. Lizardman é casado para a quem possa interessar.

Doente número 6:

Zombie Rick é canandense e acdredita já ter gasto o equivalente a R$ 13 mil para se transformar, por meio de tatuagens, em um 'esqueleto vivo'. Em entrevista a uma revista britânica, conta que quer reproduzir em seu próprio corpo a imagem de um cadáver em decomposição. Segundo ele, o trabalho de tatuagem está 50% completo.

3 comentários:

Casa de Tolerância disse...

tem cada um que me aparece....

Andrea Guim disse...

Credo!

Anônimo disse...

Eu acho o Rick Genest [zombie boy] lindo kkkk o resto é ridiculo :/